quinta-feira, junho 08, 2006

Uma história triste

Isso aconteceu com um amigo meu. Na verdade hoje não sei dizer se fomos apenas conhecidos ou mais que isso. Ele veio morar na nossa república durante cerca de 6 meses, e depois precisou ir embora.

Se você estiver lendo isso, me desculpe divulgar a história, mas acho que ela deve servir de exemplo para que mais pessoas não passem pelas dificuldades que você passou. Você me ensinou muito, e me abriu os olhos para a gravidade deste vício, que ninguem leva a sério. Caso você peça, eu retiro toda e qualquer referência ao acontecido.

Ele entrou na nossa casa como um recém recuperado de um vício pesado em jogos. Ele não poderia ter entrado em um lugar pior. Acho que se algum de nós tivéssemos a menor noção do perigo, não teríamos deixado ele se juntar á nossa casa, apelidada "carinhosamente" por nós como o buraco-negro do jogo.

O grande detonador da vida dele foi o Civilization. Ele, na sua outra república, chegou a passar 5 dias trancado no quarto, saindo só para comer, apenas jogando este jogo, sem parar.

Os pais, cientes do que estava acontecendo, em uma viagem à casa dos avós, deixaram ele em casa, e queriam fazê-lo passar um fim de semana pelo menos sem jogar. Assim, deixaram ele sem dinheiro, apenas com a geladeira cheia. Desativaram a conexão com a internet, desinstalaram todos os jogos do computador, alem de tirar absolutamente qualquer CD de instalação da casa, levando tudo embora. Qualquer semelhança com o tratamento de impacto com viciados em drogas NÃO é mera coincidência.

No momento em que os pais deixaram a casa, ele começou a se sentir inquieto. Como conseguir um Civilization pra jogar, como jogar. Ele precisava, fisicamente, do jogo. Em um momento de rara sorte (ou azar), ele se lembrou do número de conexão de uma internet discada gratuita, se conectou pela linha discada, fez o download do jogo (300 Mb em linha discada demora muuuuito tempo pra baixar) e o instalou. Quando os pais chegaram no final do fim de semana, ele estava tranquilo, com o computador desligado, sem nenhum traço de que tinha passado TODAS as horas do fim de semana jogando, sem sair de frente da tela do computador.

Pouco tempo depois os pais tiveram a idéia questionável de mandá-lo à um médico, que receitou alguns remédios um pouco pesados contra depressão, para curá-lo de algo que não é depressão. O viciado em jogos não se sente deprimido, pois 100% do tempo que está jogando ele se sente mais vivo do que jamais esteve, e ele passa a maior parte do tempo que está acordado jogando, ou seja, VIVO, e não deprimido.

Os remédios funcionaram por um tempo. Num acesso de fúria contra os jogos, ele juntou todos os CDs de jogo que tinha em um saco de lixo de 100 Lt, levou a um terreno baldio e detonou cada um deles com um pedaço de madeira. Estava com raiva do que os jogos tinham feito com a vida dele. Pouco mais de uma semana depois ele já tinha recuperado os CDs dos jogos preferidos. R$ 5,00 num camelô para alimentar o vício não é nada.

Na época em que ele entrou na nossa república isso tudo era passado. Ainda sob medicação, ele se mantia a uma distância saudável dos jogos. Quando nos via jogando por horas seguida fazia questão de ficar longe do quarto.

Por algum motivo, nesta época os remédios acabaram trazendo efeitos colaterais por causa de uma super-dosagem. Ele começou a ficar hiper-ativo, falando sobre tudo sem parar. Numa segunda-feira, após ter saído para passar o fim de semana com os pais, ele não voltou para a república. Como isso era comum, já que ninguem controla ninguem numa vida em república, ninguem deu muita atenção.

Na quarta-feira ele apareceu em casa, meio sujo, com o olhar meio perdido, e falando muito, sem parar. Ele tinha saído no domingo da casa dos pais e chegado na nossa república apenas na quarta-feira. Aparentemente tinha falado com alguem no meio do caminho, no ônibus, que acabou colocando idéias religiosas fanáticas na cabeça dele, que já estava afetada pela superdosagem. Ele passou tanto tempo falando que a garganta começou a ficar ferida, provavelmente por desidratação.

Bom, evitando os detalhes piores da história dele nestes últimos dias que morou conosco e resumindo: os pais o convenceram a voltar a morar em são paulo naquele mesmo fim de semana, e eu ouvi falar dele mais umas duas ou três vezes, sempre dizendo que estava em recuperação. Ou seja, o vício no jogo acabou sendo tratado como depressão, com remédios, trazendo ainda mais problemas pra ele, espero que não permanentes.

De novo, se você estiver lendo isso e estiver recuperado: parabéns. E se você estiver em recuperação, eu dou meu total apoio. Passei, e talvez ainda passe por tudo o que você passou, e estou lutando para quem sabe de uma vez por todas acabar com isso de vez.

Acho que as pessoas precisam realmente se conscientizar do fato de que é POSSÍVEL E REAL o vício em jogos de computador. Não quer dizer que os jogos devem ser banidos, que uma tarja azul deve ser adicionada a todos os jogos. Apenas que todos devem se conscientizar, principalmente os pais, de que isso existe, e é possível que seu filho adolescente esteja passando por algo igual.

Demorou bastante tempo para as bebidas serem levadas a sério, os cigarros também. Os dois levam a vício químico, que é muito mais fácil de se identificar, mas o vício em jogos de azar existe, e todos levam a sério, assim como chegará o dia em que todos saberão que existe o vício em jogos de entretenimento, e que ele pode sim destruir uma vida, ou apenas uma parte dela. No meu caso, cinco anos.

14 Comentários:

Às abril 03, 2008 5:58 AM , Anonymous Anônimo disse...

ola amigo!! espero k recuperes depressa
força!!!

 
Às janeiro 26, 2009 7:22 AM , Anonymous Anônimo disse...

Cara eu tambem to assim, eu to vendo q naum tenho comido direito, tenho ignorado meus amigos, preciso mudar o mais rapido possivel, eu me sinto mau, mas to consiguindo vagarozamente parar mais ta dificil, e no seu tratamento boa sorte veio, to torcendo por vc!!

 
Às janeiro 19, 2010 5:49 PM , Anonymous Anônimo disse...

Eu estou viciado em HoN que é igual DotA preciso me controlar, que Deus nos ajude!!!

 
Às abril 27, 2010 5:44 PM , Anonymous Anônimo disse...

CAra passei por isso a solução foi a brir uma lan house.

Pronto!

Trbalho e Amigos e Jogod tudo no mesmo lugar

Vida Resolvida

 
Às julho 24, 2010 12:53 AM , Anonymous Anônimo disse...

éé tb to ficando viciado galera mais é em todos os jogos saka , quando começo a joga qualquer jogo eu naum queto enquanto eu naum zerar ele, to ficando longe dos amigos tb, até da namorada, to ficando sem comer, mais de um tempo pra to me controlando mais e tal, se Deus kizer naum vamos passa por dificuldades de saude..
abraço pra vcs ai amigos,,

 
Às outubro 05, 2010 8:33 PM , Blogger Pri disse...

=/
Eu passo por isso em casa, meu irmão não quer trabalhar, estudar, não faz absolutamente NADA.
Acorda, nem escova os dentes e menos ainda lava o rosto ja vai ra frente do pc e joga o dia todo.
Se alguém fala alguma coisa ele briga, fica agressivo. Tenho até medo q peguem no pé dele e ele se suicide, sei lá.
Mas com 20 anos, ele não se interessa em ter um carro, uma moto, namorada, nada... a vida dele é o jogo, só jogo.
É muito triste ver essa cena todos os dias...
=(

 
Às abril 02, 2011 5:17 PM , Blogger claudiabarbozacea disse...

meu filho passa noite jogando, dormi o dia levanta come começa tudo novamente.

 
Às abril 02, 2011 5:22 PM , Anonymous Anônimo disse...

Pô véi estou viciado, passo a noite no computado, durmo o dia levanto pra comer e começo tudo de novo. Deus me ajude. Quero sair do vício.

 
Às junho 12, 2012 2:02 PM , Blogger Irismar disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às junho 12, 2012 3:02 PM , Blogger Irismar disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

 
Às janeiro 23, 2013 7:14 PM , Anonymous Anônimo disse...

eu tenho 16 anos e finalmente consegui largar meu vicio em jogos, jogava ragnarok e lunia, ambos jogos da level up (que me fudeu), jogo desde sempre outros jogos tambem, tenho um irmao 1 ano mais novo que jogava comigo e meus 2 irmaos mais velhos sempre nos alertava que estavamos viciados que nao paravamos de jogar, e nós nao consguiamos enxergar e nem ligavamos para o que ele dizia, eu e meu irmao mais novo achavamos que tinha controle mas o tempo foi passando e nós só queriamos jogar mais e mais, as notas foram prejudicadas na escola, tive menos amigos que poderia ter, nunca fomos daqueles nerds que nao tinha nenhum amigo, tinha amigos mas esses foram diminuindo com o passar do tempo, hoje estou começando o 2 ano e nessas ferias consegui largar o vicio (um pouco depois do meu irmao) exclui todos os jogos do meu computador e vendi minhas contas de ragnarok e lunia (que deram pouco dinheiro pelo tempo que joguei fora da minha vida) espero que as pessoas que nao param de jogar enxerguem que nao tem controle sobre o jogo e parem de jogar o mais rapido possivel, um viciado nao enxerga sua dependencia, voce nunca pode ter certeza se é um ou nao, procure fazer outras coisas alem de jogar, qualquer coisa, brincar com o cachorro, dormir, tomar banho, comer, nao interessa, mas saia desse vicio que pode te prejudicar profundamente,

relato de um ex-viciado matheus henrique

 
Às fevereiro 19, 2013 10:53 PM , Blogger Chicbytati disse...

Muito triste td isso, que vontade de espalhar para o mundo o mal que isso traz. Meu casamento esta acabando por conta desse terrível vício, usado para fugir da realidade . Muito triste.

 
Às maio 27, 2013 1:27 PM , Anonymous Gladi Sebaje disse...

É um assunto sério, sou uma pessoa adulta (45) e me viciei em jogos, foram 6 anos online, 16 horas por dia, especificamente no LINE AGE 2, NÃO HÁ IDADE; Conheci até uma juíza de direito com a mesma idade viciada. Prejudiquei meu trabalho, meus relacionamentos pessoais e familiares. Fiquei doente, com problemas nos estômago, chegando ao um médico para problemas gástricos, ele me medicou, porém, disse que a origem seria por motivos Psico-emocionais e me indicou um psiquiatra que começou um tratamento para ansiedade e compulsão, também acompanhamento de um psicologo. tratei com remédios e com mudanças de hábito por volta de 6 meses e reavaliação uma vez por ano. Voltei a jogar depois de 2 anos, porém, não jogando games online e estipulando limite máximo duas horas por dia. Me reaproximei da família e dos amigos e minha vida profissional voltou a ser normal.

 
Às junho 16, 2013 9:53 PM , Anonymous Anônimo disse...

Boa noite
Sou viciado em maquinas ,perdi tudo o que tinha ao longo de mais de 10 anos de vicio alem de interminaveis dividas em bancos e cartões , o jogo a dinheiro pressupõe uma dependencia quase irracional em se recuperar o que perdeu ou parte dele e isso é quase sempre tragico no final ,sem apoio familiar fica dificil livrar-se do vicio ,mesmo ficando de 2007 a 2010 longe quando voltei perdi tudo novamente e contrai muitas dividas ,geralmente a solidão é o principal detonador de vicios ,meu conselho é trabalhar em algo que vc possa se dedicar e goste ,ter fé e evitar isolamento ,tratamentos medicamentosos só em casos extremos,romper com o passado infeliz pode ser uma boa alternativa nem que para isso tenhamos de mudar o entorno fisico.
é possivel mas é preciso muita força de vontade.
abrs.

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial